Geofísicos desenvolvem um método sísmico inovador

Uma equipe de geofísicos da univerdade de Witwatersrand, em Johanesburgo, na África do Sul, está desenvolvendo um método sísmico inovador, que possui um baixo custo, uma boa efetividade e que não é necessário nenhum tipo de intervenção no meio ambiente.

Esse método está sendo aplicado a prospecção mineral, a equipe de geofísicos é liderada pelo professor Musa Manzi, diretor do Centro de Pesquisa Sísmica Wits, esta abordagem sísmica ativa-passiva inovadora visa reviver os métodos de mineração sísmica no país e contribuirá para atividades de mineração sustentáveis.

Qual o objetivo da criação desse novo método sísmico?

Esse método sísmico inovador foi criado em novembro de 2020 e visa enfrentar os desafios da exploração sustentável dos recursos minerais vitais para a economia e o avanço tecnológico no continente africano e no mundo. O projeto visa combinar métodos sísmicos ativos e passivos, usando uma combinação de instrumentos inovadores, para exploração em ambientes ruidosos próximos à mina em profundidades de 300-3500 m.

Segundo o professor Musa Manzi, o projeto tem acesso a locais de minas subterrâneas de ouro e platina na África do Sul. Os locais de teste foram escolhidos com base nos dados existentes para fins de validação, mas também para a perspectiva de novos alvos de exploração.

No ano passado, a equipe testou seu método sísmico em uma mina subterrânea de platina em Rustenburg para enfrentar o desafio das explorações de minerais profundos na África do Sul. O experimento teve como objetivo reduzir os custos de perfuração, diminuir os custos de exploração, maximizar a segurança da mina, aumentar a possibilidade de encontrar novos prospectos e aumentar a vida útil da mina.

método sísmico inovador
Imagem de parte da equipe responsável por desenvolver esse método sísmico inovador.

Como é o equipamento utilizado?

Segundo o professor Musa Manzi, o equipamento utilizado nesta inovação é flexível e versátil. Os sistemas de gravação sem fio são fáceis de operar porque exigem menos logística de campo do que os sistemas cabeados.

Esses sistemas também são autônomos e podem ser deixados no solo ou dentro do túnel da mina para registrar o tempo de vida da bateria, que pode ser em torno de um mês. Manzi acrescenta que sua inovação também é “mais fácil de se adaptar a uma pesquisa sísmica de pequena escala dentro da mina, onde o espaço é limitado e as condições são desafiadoras”. O land streamer economiza tempo, pois elimina a necessidade de plantar geofones tradicionais no solo, o que também pode ser difícil de fazer em túneis de mina.

A equipe está colaborando com pesquisadores locais e internacionais para melhorar a resolução de imagem sísmica passiva da inovação. Isso aumentará o poder da resolução para garantir que a inovação sísmica seja suficiente para todos os projetos de exploração mineral.

O projeto envolveu mais de 25 jovens profissionais (homenageados, mestres, PhD, pesquisadores em início de carreira e desenvolvedores de tecnologia), que ajudarão a atender à necessidade urgente de especialistas em exploração mineral na África. Os dados coletados continuarão a ser usados ​​para fins de pesquisa em nível de pós-graduação na Wits.

O professor acredita também que este projeto tem potencial para enriquecer a geofísica de exploração na África com uma ampla gama de inovações, que vão desde novos instrumentos e metodologias de projeto de levantamento que nos permitem adquirir e processar melhor os dados.

Para saber mais sobre geologia, geofísica e mineração, continue acompanhando os textos do nosso blog.

Fonte: https://www.wits.ac.za/news/latest-news/research-news/2021/2021-01/geophysicists-develop-innovative-seismic-technologies.html

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.